PortuguêsEnglishEspañol

Notícias

Piscina tratada com ozônio: mais saúde para usuários

Águas, Piscinas


As piscinas vêm aumentando sua popularidade desde a década de 60. Seus múltiplos benefícios, que estão relacionados ao relaxamento muscular e ao nível de estresse, bem como ao bem-estar físico e psicológico, foram as causas desse sucesso. Contudo, as piscinas constituem um dos estabelecimentos públicos aos quais os serviços de saúde pública devem dedicar mais atenção, uma vez que os elementos que aí se combinam apresentam um risco para a saúde cada vez mais acentuado devido ao seu uso pela população.

As piscinas são reservatórios potenciais de microorganismos patogênicos, que são introduzidos pelas pessoas que as utilizam. A água contaminada pode ser o veículo de microorganismos que causam doenças como diarréia, infecções da pele, de ouvido e vias respiratórias.

Durante muitos anos o cloro resolveu, de forma econômica, a necessidade de se ter água desinfetada disponível. Contudo, existem alguns inconvenientes. O cloro pressupõe a adição de um novo elemento à água, e a partir desse momento esse novo elemento reagirá com os compostos contidos na própria água, formando um número considerável de subprodutos nela dissolvidos ou evaporados no ar, após sua ação. Assim, buscam-se novas alternativas de desinfecção que tenham um impacto menor.

O tratamento  da água com ozônio é uma forte tendência, sistema preferido entre atletas profissionais e academias. Os sistemas tratamento  de água por ozônio baseiam-se na alta capacidade de oxidação maior do que a do cloro, o que elimina de forma muito rápida os microorganismos, inclusive os vírus. Em meio ácido,apenas o flúor e certos radicais livres possuem uma capacidade maior de oxidação.

A ação bactericida do ozônio se baseia principalmente na oxidação das ligações bissulfeto . Essa oxidação leva à destruição das proteínas estruturais dos microorganismos e à inativação das enzimas necessárias para sua sobrevivência.

Em outros compostos orgânicos, o ozônio converte ligações covalentes duplas entre os átomos de carbono em ligações simples, destruindo assim sua estrutura molecular. Em geral, os compostos orgânicos são oxidados de acordo com sua funcionalização. Assim, por exemplo, as olefinas podem chegar a se romper, os grupos amina se oxidam em grupos nitro (destruição das cloraminas), etc. Em menor grau, os compostos aromáticos como os clorofenóis também são destruídos pela ozonólise. Outros compostos inorgânicos contaminantes também são oxidados pela ação do ozônio.

A vantagem do ozônio sobre o cloro é que o ozônio gera como subprodutos das reações: oxigênio (O2), água, óxidos inertes procedentes das partículas metálicas que possa haver na água e, em pequenas quantidades também, anidrido carbônico (CO2). Todos eles são compostos muito mais inócuos que os derivados do cloro; não deixa os efeitos indesejados, como cheiro forte, irritação dos olhas e ressecamento da pele e cabelo. O ozônio possui ação rápida, já que a Escherichia coli é destruída em 5 segundos pelo ozônio, enquanto o cloro precisa de 15 segundos para a mesma concentração de oxidante (1 grama por metro cúbico, ou g/m3).

Fonte: Água Latinoamerica

Deixe um comentário:

  1. O ozônio e um excelente desinfetante, porém para água de piscinas é considerado de uso secundário. Não deixa residual na água portanto não protege os usuários das piscinas. Sempre haverá necessidade de utilização de um desinfetante principal para controlar o desenvolvimento microbiológico na água das piscinas que é elevado. O ser humano é o maior agente contaminante das piscinas. Cada banhista deixa na água da piscina no mínimo 0,10 gramas de fezes que contaminam a água com coletores fecais que podem hospedar vírus. Portanto devemos ter muito cuidado.

    Por Carlos A. Mumme - 26 de julho de 2016
  2. Olá Carlos! Nas piscinas publicas, é obrigatório o uso de cloro residual, porém em quantidade bem menor.O grande diferencial do tratamento com ozônio é que oxida as cloraminas e desta forma elimina-se totalmente os desconfortos causados pelo cloro, como ardência nos olhos, pele e cabelos ressecados. Problemas como rinite ou alergias, não são potencializados porque, na verdade o real causador destes sintomas são as cloraminas, resultados da reação do cloro com a matéria orgânica (microorganismos, urina, suor, etc) presente na água.
    Por esta razão, ao entrar numa piscina tratada corretamente com ozônio, o banhista tem a sensação de nadar em água de “cachoeira”, sem nenhum produto químico.

    Por Leticia Philippi - 27 de julho de 2016